Arquivos como gerir uma equipe externa - Auvo - Plataforma de Gestão de Equipes Externas
Como montar equipe de alta performance?

Como montar equipe de alta performance?

Um negócio em crescimento precisa de uma equipe de alta performance, e para que se tenha uma equipe assim, é preciso, primeiramente, de um líder de alta performance também, você concorda comigo?!

Só que montar uma equipe em uma empresa com alta qualificação e disposição não é tão fácil.

O que você verá neste artigo:

  • Contratação
  • Alinhar esforços e engajar
  • Equipe de alta performance determinada
  • Tenha objetivos claros e motivacionais
  • Desenvolva sua equipe
  • Avalie sua equipe externa
  • Seja exemplo
  • Seja um líder motivador

Montar uma equipe externa não é apenas juntar seus colaboradores e, em seguida, distribuir rotas para que as tarefas sejam executadas.

É preciso ter consciência do que está sendo elaborado, se um gestor quiser realmente construir uma equipe de alta performance.

A força individual hoje, pelo menos no mundo do trabalho, se evidencia na soma, quando cada um dos colaboradores tem o seu reconhecimento nos resultados de um todo.

Mas como construir uma equipe de alta performance valorizada e fortalecida para a empresa?

Com esse artigo eu vou te ajudar a montar uma equipe para o melhor crescimento do seu negócio.

Contratação

Antes da contratação, o gestor, com a ajuda do RH, deve confirmar se o colaborador corresponde com o perfil que foi estabelecido, com relação à experiência profissional, cursos, conhecimentos adquiridos, até mesmo o perfil psicológico.

Portanto primeiro, saiba quem você está procurando.

Dessa forma, quando você encontrar o profissional, terá certeza que ele atende aos reais requisitos da vaga. Por que determinada formação profissional ou certo grau de escolaridade é importante?

Porque, trabalhando com algo específico, o profissional que já tem formação e, consequentemente, o domínio de determinado estudo, facilitará noutros pontos que sempre insistimos em nosso blog: produtividade e tempo.

Alinhar esforços e engajar

A criação de uma equipe ocorre quando o líder compartilha a visão e se compromete a transformar essa visão em realidade. As equipes têm que aprender a interagir de forma eficaz.

Criar, falar e agir genuinamente, a fim de cumprir a visão. Esses compromissos são a base para o alinhamento e para o fortalecimento do relacionamento de todos os membros de uma equipe de alta performance.

Equipe de alta performance determinada

Após a escolha dos participantes da sua equipe externa, confirmando que são capacitados para as necessidades da sua empresa, claro.

Eles são capazes de pensar em uma boa solução para problemas? São dispostos a fazer o necessário para que seu serviço/meta seja alcançado?

O importante é estar sempre disposto a realizar sua tarefa com determinação. Isso vale tanto pro gestor de equipes externas quanto para os seus colaboradores.

Tenha objetivos claros e motivadores

Muitas empresas erram ao cobrar resultados dos funcionários sem deixar claro justamente qual é o resultado esperado de cada ação.

Ter um diálogo aberto e metas bem definidas faz toda a diferença na performance do seu time, principalmente se você desafiar a equipe externa constantemente e estimular que novas ideias sejam geradas para resolver problemas da empresa.

Desenvolva sua equipe

Os melhores talentos, provavelmente, quase sempre, serão encontrados nos locais com melhores remunerações e benefícios.

Uma pequena empresa também consegue competir com estas propostas, mas existem outras formas de desenvolver a sua equipe de alta performance.

Invista na qualificação do time, através de cursos e treinamentos, lembrando sempre de dar abertura para que eles apliquem o conhecimento em busca de melhores resultados.

Temos um artigo que irá te ajudar com toda certeza, a entender porquê e como você deve investir em treinamento:

Avalie sua equipe externa

Os colaboradores competentes devem ser cuidados para que seu desempenho seja mantido.

Já os colaboradores que estão tendo um desempenho abaixo do esperado devem ser cobrados para que seu desempenho seja melhorado, fazendo com que os mesmos atinjam o nível dos demais.

É importante frisar que esse colaborador que não está rendendo em sua função não pode continuar nesse ritmo, pois, o mesmo irá contaminar os outros. Sendo assim, só existem duas alternativas para ele:

  • Evoluir (os treinamentos podem ajudar!);
  • Ser demitido.

Seja exemplo

Como eu disse ali em cima, assim como a equipe deve ser de alta performance, o gestor também deve ser.

É muito importante que o gestor da equipe externa faça parte do time e, dessa forma, ele acaba tornando exemplo para o resto da equipe, pois além de gestor, ele deixa claro pros outros que ele está lá para concluir seus objetivos.

Nada melhor que fazer parte na prática e não demonstrar moleza e, com isso, tornar-se exemplo para os outros. Faça isso e ganhe o respeito ideal.

Seja um líder motivador

Como deixei claro, não é interessante ser apenas um líder que determina ordens. Seguindo os outros pontos citados acima, entrosamento é fundamental.

Não subestime a capacidade dos seus profissionais, muito pelo contrário, incentive-os.

Deixa que ele saiba que é capaz e que você o escolheu por isso, porque ele tem potencial para a sua função.

Motivação é constantemente trabalhada nos meios profissionais em geral, pois o rendimento das pessoas aumenta, fazendo com que elas se superem e que a realização profissional e, logo, pessoal, seja muito maior que o comum.

Criar uma equipe de alta performance, é uma tarefa que exige esforço, custos, organização e estratégia por parte dos gestores.

Automatize o máximo que puder

A finalidade do uso de um software é, justamente, otimizar o trabalho em equipe e garantir que todos tenham um bom desempenho.

Um software adequado às suas necessidades pode permitir o acompanhamento das ações de cada colaborador e uma ação bem mais rápida em caso de erros.

Concluindo

No entanto, apesar das complexidades e dificuldades em montar uma equipe de alta performance, é um investimento com retorno garantido.

Uma empresa que conta com uma equipe de alta performance, forte e próspera sobrevive a qualquer tipo de crise, sendo assim, você deve comprar essa ideia para que possa atingir seus objetivos e alcançar o sucesso esperado.

O que quero dizer é o seguinte: você precisa começar a trabalhar a performance de seus colaboradores, visando uma melhoria constante de suas capacidades, pois, caso contrário, você não conseguirá sobreviver por muito tempo no mercado.

Para finalizar, tenho anotadas três lições que aprendi e levo constantemente para minha vida profissional, são elas: não brinque com o mercado, não subestime seu concorrente e principalmente (e mais importante): ninguém é forte sozinho.

E aí, sua empresa está no caminho certo? Qual o estágio atual de cada uma das suas equipes?

Isadora é redatora da Auvo, responsável por criar conteúdos ricos para ajudar gestores de todo o Brasil a aumentar a produtividade das suas equipes de campo.

Qual desses gerentes você é, funcional ou gaivota?

Qual desses gerentes você é, funcional ou gaivota?

 

Dentro da empresa podem existir vários tipos de gestores. Os que dão mais atenção para a equipe e aquele que não mostra interesse no que está acontecendo.

Já conseguimos saber qual deles você deve ser, mas você sabe o que difere os dois?

É por isso que são separados entre “gerente gaivota” e “gerente funcional”. Saiba a diferença deles e veja qual deles vocês está sendo com a sua equipe.

Gerente gaivota

Muitas vezes passamos por uma situação bem comum dentro dos escritórios de trabalho: a ausência do gestor, gerente ou o supervisor geral da equipe.

O famoso gerente gaivota.

É aquela situação em que, em meio a um problema interno que uma equipe tenta resolver, o chefe, totalmente pro fora da situação, tenta se juntar a equipe a fim de promover soluções e conselhos que, hipoteticamente, deveriam servir para sua equipe, mas que não passa de alguém fazendo barulho e, em seguida, desaparece.

O problema geralmente é esse, uma pessoa que pode ser considerada de fora do “time” querer entrar, tomar frente e opinar sem o menor fundamento apenas por que tem a posição superior.

É claro que ele tenta ouvir a equipe pra se atualizar e tomar nota dos fatos, mas se uma equipe não conseguiu resolver um determinado problema, será que uma pessoa sozinha que costuma parecer estar de passeio vai conseguir resolver o problema ou dar conselhos inteligentes ou, no mínimo, fundamentados?

Provavelmente não.

Na verdade, muitas vezes eles pioram a posição de seus colaboradores, gerando stress, raiva e perda de tempo para aqueles que realmente precisavam da ajuda deles.

E isso não é ruim apenas para o setor em que se insere a equipe, é ruim para uma empresa inteira.

Com a falta de uma gestão ideal (considerando apenas o fator “gerente ausente”), uma equipe pode deixar de produzir um desempenho satisfatório para alcançar um quadro totalmente irregular diante da visão empresarial.

Tendo como resultado quedas elevadas nos lucros.

Esse assunto é interessante, pois não precisamos citar exemplos de casos famosos ou qualquer outra coisa.

Se pararmos pra pensar, todos nós temos um momento gerente gaivota, aquele momento em que não damos muita atenção para algo ou, simplesmente, funcionamos no automático.

Por exemplo aquela conversa que temos com nossos amigos em que apenas balançamos a cabeça sem prestar a mínima atenção e, quando percebemos, somos surpreendidos com algo que, até então, parecíamos ter concordado que aconteceria. É a famosa presença de espírito.

Gerente funcional

O gerente funcional é o contrário do gerente gaiovata.

Ele toma medidas para resolver os pobrlemas. Medidas essas que não são segredo para ninguém.

A única coisa que precisa ser feito é estabelecer que você (gerente/gestor/supervisor) carrega de fato esse cargo e, por isso, precisa agir como tal.

De início, fazer parte literal da equipe é primordial. Seja participativo, escute os membros da equipe e leve realmente suas sugestões em consideração, sofra “quebrando cabeça” junto a eles, busque respostas.

Dessa forma, você vai não apenas “vestir a camisa” como também ganhar o respeito da sua equipe, será visto como um a mais no time e, além de tudo, estará por dentro do que acontece e precisa na sua equipe.

Outra atitude fundamental é a questão organizacional. Quando se tem um roteiro antecipado e estudado para seguir, as chances de que tudo dê certo são muito maiores.

Organizar com antecedência tarefas e funções de maneira inteligente, seja lá qual for sua ferramenta, agendas, softwares etc. Tudo isso trará bons frutos para a equipe, para você e para a empresa toda.

A falta de praticidade é como se sua equipe andasse com uma pedra amarrada aos pés.

Tente resolver toda a burocracia que pode, de fato, ser eliminada do seu trabalho. Facilite a movimentação dos seus colaboradores. Objetivo e praticidade sempre.

Fazendo essas coisas, você chegará a outro fator importante, o feedback. Levando em consideração a posição do gerente gaivota, como ele poderia passar um feedback para seus colaboradores se nem ele sabe o que está acontecendo na empresa?

É por isso que, depois dessas dicas, podemos então ter um feedback completo, com qualidade.

Considerações finais

É muito importante para o desempenho de uma empresa, que toda uma equipe esteja inteirada sobre resultados e metas estipuladas.

Deixá-los a par de tudo, como tudo está correndo, o que está bem ou o que deve ser mudado. Agora você tem fundamentos para agir.

A ideia que queremos passar aqui é que você seja extremamente funcional para sua equipe/empresa e, por isso, tudo que estamos falando terá como resultado a sua integração literal dentro da equipe. Ou seja, acabamos de entender o que precisa ser feito para fazer parte, ser aceito e ter o respeito ideal dentro da equipe que um gestor realmente precisa ter.

Adotando essas ideias você abandona o posto de gaivota e passa a ser alguém com cargo sério e que, com certeza, aumentará a produtividade e os lucros da empresa.

Gabriel é CEO da Auvo e já ajudou mais de 1500 empresas a aumentarem a produtividade da sua equipe de campo. Além disso gerenciou equipes externas durante 7 anos e sabe bem as dores de um gestor.

Como montar sua equipe externa em 6 passos

Como montar sua equipe externa em 6 passos

Com o objetivo de tentar esclarecer as ideias de quem quer montar uma equipe externa ideal, resolvemos ajudar sugerindo alguns passos de como chegar a isso da melhor maneira possível.

Montar uma equipe externa não é apenas juntar seus colaboradores e, em seguida, distribuir rotas para que as tarefas sejam executadas, é preciso ter consciência no que está sendo elaborado se um gestor quiser realmente construir uma boa equipe e “fazer” o nome de sua empresa/produto.

Por isso é interessante detalharmos alguns pontos que devem ser relevantes nesse quesito. Vamos lá:

1. Seus colaboradores

Primeiramente, um gestor deve analisar as pessoas a serem convidadas para sua equipe, afinal ele vai depender do desempenho desses colaboradores também.

Sendo assim, é importante rotular o perfil ideal desejado e deixar isso estabelecido. Dessa forma tudo fica mais fácil na hora da seleção de cada um para sua equipe.

Como sugestão, o gestor pode estabelecer uma determinada formação profissional ou certo grau de escolaridade. Por quê isso é importante?

Porque, trabalhando com algo específico, o profissional que já tem formação e, consequentemente, o domínio de determinado estudo, facilitará noutros pontos que sempre insistimos em nosso blog: praticidade e tempo.

Assim, a “peneira” torna-se mais restrita e, pensando sempre no melhor desempenho, ajuda até no tempo a ser usado para essa seleção.

2. Esteja sempre disposto

Certamente você já ouviu falar na expressão “carregador de piano”. Se não, trata-se de uma metáfora usada para analisar pessoas dedicadas e com bastante determinação no que faz.

São pessoas dispostas a fazer o necessário para que seu serviço/meta seja alcançado. Por exemplo, para transportar um piano do térreo de um prédio para o último andar, é preciso estudar alguns pontos: Ele passa pelo elevador? Não.

Vai pelas escadas? Não. É possível desmontá-lo e levá-lo por partes? Não. Então içamos pela janela.

E assim testes vão sendo feitos, o importante é estar sempre disposto a realizar sua tarefa com determinação. Isso vale tanto pro gestor de equipes externas quando para os seus colaboradores.

3. Seja mais um do time

Parece banal, mas muitas vezes (extremamente comum) o gestor acaba vestindo a camisa de chefe de forma tão superior que se esquece que ele faz parte da equipe.

Tudo depende dele também, nada melhor que “vestir a camisa” e trabalhar como se fosse mais um no meio do resto, assim você sente, pensa, conversa, discute e aprende as coisas da mesma forma que seus colaboradores. Isso serve de experiência profissional.

E das melhores formas!

4. Lidere e seja exemplo

Como dito anteriormente, é muito importante que o gestor de equipes externas faça parte do time e, dessa forma, ele acaba tornando exemplo para o resto da equipe, pois além de gestor, ele “coloca a mão na massa”, ele deixa claro pros outros que ele está lá para concluir seus objetivos.

Nada melhor que fazer parte na prática e não demonstrar moleza e, com isso, tornar-se exemplo para os outros. Faça isso e ganhe o respeito ideal.

5. Falar nem sempre é a melhor coisa a se fazer

Muitas vezes esquecemos que falar demais acaba gerando desconforto. Tudo fica mais cansativo, a forma de ser visto pelos outros pode acabar mudando para alguém que só fala ou só dá ordens ou qualquer outra coisa.

É interessante, às vezes, que o gestor fale menos e apenas observe, pergunte, escute. Isso gera dinâmica e acaba buscando um melhor desempenho pra a equipe.

6. Seja um líder motivacional

Como deixamos claro, não é interessante ser apenas um líder que determina ordens. Seguindo os outros pontos citados acima, entrosamento é fundamental.

Não subestime a capacidade dos seus profissionais, muito pelo contrário, incentive-os. Deixa que ele saiba que é capaz e que você o escolheu por isso, porque ele tem “cacife” para a sua função.

Motivação é extremamente trabalhado nos meios profissionais em geral, pois o rendimento das pessoas aumenta, fazendo com que elas se superem e que a realização profissional e, logo, pessoal seja muito maior que o comum.

Coloque tudo isso em prática, faça acontecer, e você terá 99% de chances de alcançar melhores resultados com a sua equipe externa moldada de uma maneira mais ideal.

Gabriel é CEO da Auvo e já ajudou mais de 1500 empresas a aumentarem a produtividade da sua equipe de campo. Além disso gerenciou equipes externas durante 7 anos e sabe bem as dores de um gestor.

Você realmente tem o controle da sua equipe externa?

Você realmente tem o controle da sua equipe externa?

Todo gestor possui a dúvida se está ou não tendo o controle da equipe externa da sua empresa.

É muito comum que uma empresa, decorrente de necessidades individuais e específicas, tenha que trabalhar não somente dentro do seu próprio ambiente como também buscar uma gestão de equipes externas e, com isso, aumenta o trabalho tanto de supervisão de colaboradores quanto o que é feito de maneira interna na empresa. Sem falar dos gastos.

Nesse post vamos falar sobre possíveis problemas que você enfrenta no dia a dia.

Principais problemas ao não ter o controle da equipe externa 

Visto isso, podemos ter uma ideia de que gerir uma equipe externa, principalmente nos tempos atuais em que tudo precisa ser imediato, pode acarretar vários problemas e dores de cabeça em todos os setores da empresa, principalmente para os gestores dessas equipes.

Localizar a equipe externa, distribuir tarefas para colaboradores, contato direto com os mesmos e muitas outras barreiras acabam atrapalhando o desempenho para gerir uma equipe de maneira ideal.

O maior problema é que isso pode prejudicar tanto sua empresa que pode ser decisivo no sucesso ou fracasso tido como resultado final.

Infelizmente não são apenas esses problemas técnicos que causam transtornos ao gerir uma equipe externa empresarial.

Muitas vezes ouvimos alguém dizer que “funcionário não veste a camisa da empresa”, e sim APENAS o dono dela. E, por mais comum que isso seja, é puramente verdade.

Muitos casos de colaboradores com descasos e sem motivação para trabalhar acontecem todos os dias e, assim, ajudam na decadência do rumo que a empresa buscava.

E o pior, tudo isso sem o conhecimento dos seus gestores. Por quê? Simples, atualmente, com todas as “correrias” do dia a dia, é difícil localizar sua equipe externa, tanto pela falta de tempo que o gestor tem para isso (que acaba deixando de lado uma função importante) quanto pelas dificuldades encontradas por eles para localizá-los.

Além disso, temos o que já foi dito anteriormente, nem sempre um colaborador está tão interessado quanto o dono da empresa para trabalhar.

Sabendo da falta de atenção de seu gestor, ele pode muitas vezes afirmar que saiu para fazer uma visita ou um serviço mas que, ao chegar no local, não havia ninguém, sendo que nada verdade ele poderia estar em qualquer lugar, até mesmo em casa jogando vídeo game, por exemplo.

Enfim, trabalhar com uma equipe externa exige atenção e determinação, tudo é válido para promover uma gestão ideal.

Deixar umas dessas opções de lado, deixará um buraco no desempenho da equipe externa e, logo, nos resultados finais da empresa.

Em muitos casos as empresas visam tanto os lucros, número e mais números que acabam esquecendo como se faz para chegar no lucro de fato.

Tanto pela falta de tempo ou por achar que não é importante, companhias deixam de lado o trabalho que deveria ser feito, de maneira minuciosa, dentro de todos os setores da sua empresa, inclusive na gestão de equipes externas.

O desinteresse e o descaso por parte dos responsáveis de uma empresa, independente de suas justificativas, causam também prejuízos significativos.

Ou seja, não é apenas um colaborador que vai prejudicar o desempenho da sua empresa, você mesmo (responsável por uma empresa ou um setor empresarial inteiro) pode causar essa queda drástica.

Com isso, queremos deixar claro que tudo, absolutamente tudo pode causar o baixo desempenho ou coisa pior dentro de uma empresa.

Existe um responsável pelo bom desempenho? 

Mesmo que não pareça, uma pequena mudança pode ser tão significativa quanto uma mudança radical, ou até mesmo melhor, gerando maiores resultados.

Gestores de equipes externas são os principais responsáveis pelo desempenho de toda sua equipe.

Se um colaborador não está motivado, se a distribuição de tarefas não está sendo produtiva, se o desempenho geral e os lucros não estiverem rendendo, saiba que provavelmente a causa vai ser pela falta de trabalho adequado para gerir uma equipe externa ou, em outras palavras, a culpa será do gestor.

E o preço a se pagar por uma gestão sem o controle ideal pode ser fatal. Por isso, tenha um bom controle da equipe externa, sem que isso interfira no relacionamento com os membros da sua equipe” 🙂 

Gabriel é CEO da Auvo e já ajudou mais de 1500 empresas a aumentarem a produtividade da sua equipe de campo. Além disso gerenciou equipes externas durante 7 anos e sabe bem as dores de um gestor.